Logo_FFLC_b_w.png
mario_tique_7.png

DEBAIXO DO SOL

Exposição de Pintura - Mário Tique

28.04.21 - 30.05.21

Numa segunda exposição individual de pintura, Mário Tique apresenta-nos “Debaixo do Sol”.

 

O trabalho deste artista plástico, ainda que não seja muito conhecido no mundo da arte, constitui uma surpresa quer pela qualidade técnica das suas obras, quer também pela forma como trata e explora o tema.

 

A acção, decore numa simultaneidade de cores que parecem reproduzir a própria intensidade da luz do Sol.  Abandonando um ponto de vista simples e as proporções normais, o artista utiliza linhas geométricas para trabalhar a anatomia humana e os objectos que a compõem.

 

A pintura de Mário Tique é concebida em pequenas porções como se, cada uma delas, abrisse para nós, um caminho novo.

 

Tal como as suas pinturas, que só fazem sentido quando os pedaços estão ligados entre si, o Mundo é hoje um conjunto de diversidades únicas.

 

Vivemos “Debaixo do Sol” diz-nos Mário, devemos aprender a trabalhar juntos para controlar mudanças climatéricas, pandemias ou desigualdades sociais e o número crescente dos refugiados, que são cada vez mais pertinentes. 

Biografia

Mario Henrique Tique, é um artista plástico e designer gráfico moçambicano, oriundo de uma família de talentos em artes visuais.

Na escola primaria e secundaria, entre 1974 a 1980, participou e ganhou diversos concursos de desenho e pintura. Inspirado em obras de artistas estrangeiros e nacionais, começa a pintar em guache e aguarela, com 15 anos.

Em 1989, recebe formação em pintura abstrato-figurativa, com artistas ucranianos, e ganha o seu primeiro concurso, em Moçambique, dirigido aos “jovens talentos em artes plásticas”.

 

Em 1992 ganhou o premio de pintura do Banco Fomento Exterior, português, num concurso internacional com artistas de mais de 30 países. O prémio deu-lhe a oportunidade de estagiar na cooperativa Árvore do Porto, Portugal, trocando experiências e novas técnicas com artistas portugueses e latino americanos.

Em 1993/94 participou, com o moçambicano Naguib, em exposições de pintura no Porto e em Lisboa (Portugal), tendo tido oportunidade de aprender outras técnicas com Chichorro no seu atelier.

Em 1994, recebeu uma bolsa para estudar design grafico em Paris, onde desenvolveu a sua aprendizagem em artes plásticas, conheceu outros artistas de várias partes do Mundo e visitou museus conceituados. Ainda em França, participou em exposições de pintura em Paris, Lyon e Marsseille.

A partir de 1995 integrou diversas colectivas de pintura, dentro e fora do pais,  tendo ganho, em 2000, duas menções honrosas nas Bienais da TDM - Telecomunicações de Moçambique. 

Em 2009, Mário assume a realização da sua primeira exposição individual no Instituto Camões em Maputo. Em 2021, depois de um longo período de interregno, Mário Tique regressa com uma nova individual “Debaixo do Sol” em exibição na Fundação FLC.